Como superar o processo reverso do choque cultural?

Tradução por Caroline Neves

Viajar é sempre algo maravilhoso: uma oportunidade de abrir nossas mentes e descobrir outras formas de viver e compreender a realidade. Como dizia o grande Miguel de Unamuno: “O fascismo se cura com a leitura e o racismo, com as viagens”. Existem pessoas que viajam pelo prazer da aventura, pela descoberta de novas culturas, mas também existem outras que não têm outra escolha senão deixar a sua casa em busca de um trabalho melhor. Os motivos para viajar são tão variados quanto as pessoas; e, em muitos casos, as vantagens e os aprendizados também, mas o que acontece quando o viajante volta para casa?

Quando estamos longe de casa, seja porque viajamos a lazer ou porque passamos uma temporada em outro país trabalhando, o choque e o impacto que recebemos ao chegar podem ser muito fortes, e é melhor que estejamos preparados para esses sentimentos que os especialistas chamam de processo reverso do choque cultural.

Quando voltamos para casa, descobrimos que o lugar a que pertencíamos não é mais o mesmo e nada é como o lembrávamos. Percebemos então que este lugar, embora tenha permanecido inalterado e idealizado em nossa memória, continuou a evoluir sem nós. Essa confusão pode gerar sentimentos confusos e nos fazer acreditar que não somos mais daqui ou dali porque perdemos a familiaridade com o meio ambiente.

Como superar o processo reverso do choque cultural?

  1. Reconheça o que está acontecendo com você e aceite que é totalmente normal e transitório.

O processo reverso de choque cultural é bastante comum, embora cada pessoa o experimente de maneira diferente. Quando viajamos e nos separamos de nosso meio, ao qual nos sentimos pertencer porque conhecemos suas chaves culturais e seus padrões de comportamento, também temos de passar por um processo de adaptação ao novo lugar. O que acontece é que, apesar de muitas vezes vivermos esse processo com alegria, principalmente se a viagem foi de lazer, pode se dar o processo contrário: o sentimento de ansiedade nos ataca porque vivemos um choque cultural e nos encontramos indefesos.

  1. Não deixe seus preconceitos se transformarem em uma prisão.

Muitas vezes não nos sentimos confortáveis ​​no lugar para onde voltamos porque o idealizamos à distância . É muito positivo redescobrir aquele lugar, conhecê-lo novamente sem preconceitos ou fantasias. Nada é preto ou branco, nem os lugares, certamente se você olhar encontrará coisas de que gosta, mesmo que não sejam exatamente iguais ao que você imaginou. Tanto seu lugar de origem quanto seus amigos e família mudaram, mas, admita, você também mudou. Portanto, você não terá escolha a não ser se encontrar novamente e se encontrar novamente.

  1. Evite se sentir preso: você não precisa ficar.

Às vezes o problema consiste em que, embora tenha pensado que voltar era a melhor decisão, ao chegar em casa descobre que realmente idealizou o seu lugar de origem e que, no entanto, sua vida foi mais satisfatória e plena no país que o acolheu e ainda que se sinta mais identificado com seus costumes e modo de ver a vida. Não se preocupe, é muito legal escolher onde você quer morar, e nem sempre você fica melhor no lugar onde nasceu.

Também há pessoas que têm uma necessidade contínua de viajar e conhecer outros lugares, dizem que sofrem da síndrome do eterno viajante. Em si não tem que ser negativo, existem pessoas com alma nômade, mas deve-se levar em conta que uma viagem nunca deve ser uma fuga de si mesmo, mas sim uma busca.

  1. Não hesite em procurar ajuda se achar que não sabe como lidar com esses sentimentos.

A ajuda pode vir de um membro da família, um amigo ou um profissional. Pode acontecer que nos sintamos culpados na frente de nossos entes queridos por não sermos capazes de expressar toda a alegria que deveríamos sentir no reencontro. Confie seus sentimentos às pessoas próximas a você, com certeza há alguém em seu ambiente que passou pela mesma coisa e pode entendê-lo.

  1. Não tenha medo dos processos de readaptação: embora envolvam certo choque cultural, são naturais e positivos.

A vida é uma transformação contínua. Tudo muda: nosso corpo, nosso ambiente, nossos entes queridos. É verdade que a busca pela estabilidade é uma característica que muitas vezes nos define como seres humanos. Mas lembre-se que é sempre uma sensação fictícia, pois tudo, absolutamente tudo, pode mudar a qualquer momento, para melhor ou para pior, e temos que estar preparados para o que vier, surfar a onda e tentar viver as diferentes experiências que ele nos propõe a vida como parte da jornada.

Acesse: https://www.almudi.org/noticias-articulos-y-opinion/15906-cuando-todo-es-lo-mismo-pero-nada-es-igual para ler o post em espanhol.

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *